"Parece imperativo para mim usar uma máscara para grande parte da população após o desconfineamento. Para se proteger pessoalmente e também em uma população, ou seja, proteger os outros. Como nenhum teste é 100% confiável, é razoável ver essa pandemia muito agressiva que resultou no confinamento de quase metade da população da Terra para aprender a usar uma máscara quando você sai de casa, assim como colocar um casaco ou sapatos. O treinamento no uso da máscara também será imperativo para evitar os "efeitos colaterais" de usá-la mal. Sem mencionar a causalidade, é importante dizer aqui que os países que têm sido mais eficazes na mortalidade desta pandemia são os "tigres" da Ásia, ou seja, Coreia do Sul, Taiwan, Cingapura e Japão... as pessoas estão acostumadas a usar máscaras. Outros fatores explicativos são importantes a notar: Taiwan e Japão são ilhas, mais facilmente impermeáveis a um fluxo de população externa. Estes também são países acostumados ao distanciamento social, que também terá que ser integrado ao nosso novo modo de vida francês. Deve-se notar, infelizmente, que na Europa os países latinos estão prestando muito tributo a essa pandemia, novamente possivelmente porque esse distanciamento social é mais estranho para nós. Nesse contexto, usar a máscara me parece uma das barreiras para colocar em prática no futuro mais próximo, sem mencionar os outros, e em particular lavar as mãos com sabão quando estamos em casa ou um gel hidroalcoólico lá fora."

Prof. Stéfan Darmoni

 Prof. Stéfan Darmoni

Professor de Saúde Pública na Rouen Medical School
Vice-Diretor do INSERM LIMICS U1142